Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Um Dia De Angústia.

 

 

 

 

Último dia do mês. Último dia de trabalho. E um dia de coração partido.

 

Continuo sem saber qual vai ser o meu futuro no colégio. Se sou eu que vou ficar a ensinar o inglês do 1º ciclo também ou se vou apenas ficar com o pré-escolar. E esta incerteza está a causar-me uma angústia inimaginável.

 

Não consigo desligar-me das minhas crianças (já sabem que sou um coração mole), com as quais tenho uma ligação muito especial. E os pais sabem disso.

Não estou a conseguir cortar o cordão umbilical que só nos deveria separar quando eles saíssem do 4º ano. Como irão reagir as minhas crianças quando virem que não sou eu a dar-lhes aulas, a proporcionar-lhes aprendizagens brincando, e apanharem com um director que tem mais que fazer e que vai para ali despejar matéria como se eles fossem pequenos adultos? Isto é, se conseguir dar as aulas…

E não estou a inventar nada, estou apenas a reportar-me a relatos de alunos que o tiveram como professor. Pior ainda, não tem especialidade nenhuma para dar 1º ciclo e está desactualizadíssimo!

 

E ainda mais triste fico ao pensar na forte possibilidade de não ser eu a iniciar a minha priminha B. na língua inglesa, pois vai para o colégio este ano frequentar o 1º ano. A minha B. e todas as outras crianças que eu já conheço há muito e sempre estiveram muito ansiosas por aprender inglês comigo…

 

Como se não bastasse o desânimo que estas situações me vêm trazendo, recebi uma notícia de uma das minhas melhores amigas que me caiu como uma bomba.

Resolveu sair do actual emprego – onde estava a viver uma situação insustentável – para ir trabalhar para uma das regiões de França onde abunda gente VIP e com uma forte componente turística.

Mas o pior é que vai trabalhar para uns russos que não conhece e nem sabe exactamente o que vai fazer.

 

Já lhe disse que admiro a coragem dela pois eu não a tenho. Ir para um país estrangeiro sozinha, onde não tem ninguém conhecido e onde lhe arranjaram um trabalho. Sim, porque ela nem sequer falou com os futuros patrões. Isto assusta-me e muito. Mas eu sou um coração muito mole e jamais seria capaz de abandonar os meus pais velhotes para ir trabalhar para fora do país. E muito menos ainda sabendo que poderia nunca mais ver o meu pai ou a minha mãe devido aos seus problemas de saúde que implicam alguma gravidade.

 

Hoje é mesmo um dia para esquecer. Parece-me que a minha insónia desta noite estava já a indiciar-me alguma coisa. Ai este meu sexto sentido…!

 

Um Dia no Inferno

 

Sinto-me cada vez mais desanimada e angustiada. Hoje foi um dos dias em que mais me enervei e estou aqui em frangalhos.

 

A miúda que veio ontem pela primeira vez consegue tirar qualquer um do sério. Eu e a minha auxiliar perdemos a compostura.

 

Comecei o dia com a Apitos - é assim que vai ser designada a partir de agora - e empurrar a bébé só porque a sua imaginação lhe disse que a pequenina lhe tinha mexido nos bonecos. O que vale é que a bébé é um amor e nem chora. Veio o histerismo do almoço e ao lanche aproveitou para dar uns murraços ao coleguinha com quem estava brincar. Não sei como o puto não caiu do banco abaixo. Ficou todo vermelhinho no peito e pescoço (zona dos murros) com lágrimas nos olhos e eu lá fui a velocidade luz buscar gelo.

 

Se voei para ir buscar gelo mais depressa coloquei a Apitos de castigo sentada num banco ao pé da porta. Desatou a berra como se não houvesse amanhã. Fui ao pé dela repreendê-la e ainda mais berrou. Como se a tivesse a matar.

Pensei como os meus botões: o melhor a fazer é ignorá-la para ver se se cala. Já disse que a Apitos tem a voz mais irritante ao cimo da terra?

 

Com tanta berraria, não é que a mulher da limpeza tema a lata, o descaramento, a ousadia de ir buscá-la ao castigo e pô-la no colo?!? Epá, saltou-me a tampa de novo e depois de contar até quinquilhões e três, pedi que sentasse a miúda no banco e que não voltasse a fazer aquilo.

 

Parece que este ano apenas irei dar aulas ao pré-escolar neste colégio. Acho que o boss vai voltar a dar aulas.

agora alguém me explica como se consegue gerir um colégio e dar 2 disciplinas e ATL? Quando sobra tempo para tratar dos assuntos inerentes a uma direcção?

E porque é que se desculpa do buraco financeiro com o facto de 3 colegas minhas subirem de escalão com têm direito, e logo terem um ordenado um pouco maior?

E porque é que é atribuída a indisciplina do 4º ano aos professores das AECs?

 

Talvez se não andasse no mundo da Lua e dos ideais utópicos, não investisse dinheiro em m€rd@s que não têm prioridade nenhuma, não empregasse um familiar próximo para lhe dar um 1º emprego e lhe pagasse um ordenado de licenciado sem fazer a ponta de um chavelho, se agarrasse o touro pelos cornos para tratar na origem os problemas de indisciplina, se abrisse os olhos quanto a quem trabalha naquele colégio e não fosse tão "narrow-minded" e estivesse abertos a novas iniciativas, o colégio não tivesse chegado a este ponto.

 

É muito fácil atribuir as culpas aos outros. É uma desculpa para os próprios erros. Sempre fiz tudo pelo colégio e a recompensa que tenho é esta. Espero que os pais abram os olhos e se mexam. Vamos lá ver se os pais são capazes de usar a força que possuem e se calhar não sabem que é tão poderosa...

Reflexão

 

Hoje sinto-me assim a modos que para o decepcionada, desiludida e com uma sensação de vazio.

 

Deparei comigo mesma a reflectir sobre a minha vidinha neste mês de Agosto e a sentir-me perfeitamente estúpida.

Levantar-me às 6.30, apanhar o autocarro – rezando fervorosamente para não o perder – chegar ao colégio super cedo, ir até ao café antes de entrar para fazer tempo (sim, porque há pais que ainda não está na hora de abrir o colégio já eles lá estão e eu detesto abusos), limpar as mesas com desinfectante – o que não me compete, mas enfim! -, começar a receber crianças, aturar fitas de crianças mal-educadas com o maior sorriso do mundo nos lábios quando a vontade real era dar umas palmadas nos rabos dos papás pois os meninos estão assim porque não lhes ensinam regras.

 

Depois vamos brincar para o recreio, segue-se a hora de almoço com as tradicionais fitas de “não gosto da sopa” ou então na variante “a sopa tem pêlos”. Fraldas mudadas, mãos lavadas, xixis feitos e ala pra caminha dormir a sesta.

 

Depois é a minha vez de fazer a minha hora de almoço. Que se pode fazer naquele tédio, numa zona tão mortiça? Continuar a trabalhar!

Lá pego eu nos meus livrinhos e vou tratar das planificações para o próximo ano.

 

Hora do lanche. Falta pouco para eu sair. Pego nas minhas coisas e vou apanhar o meu autocarro rumo a casa. E assim se passou mais um dia de trabalho chato e sem graça nenhuma. É que este ano nem actividades dá para fazermos com as crianças pois as disparidades de idades é muito grande e não me pagam para ser a mulher dos 7 ofícios.

 

É que aqui a parva já vai deixando de ser parva… um bocadinho… Se não sirvo para umas coisas também não sirvo para outras. I’ll tell you someday.

 

A Morte Dos Cachorrinhos...

Pois é... apesar de ter mandado emails para algumas associações contando a história dos cachorrinhos, nenhuma delas se dignou sequer a responder-me...

 

O desfecho foi este: dois cahorrinhos atropelados mortalmente e um com mais sorte que foi adoptado.

 

Espero que pese bem na consciência, de quem atropelou e de quem nem uma simples resposta foi capaz de dar, a morte deste bichinhos.

 

 

Cachorrinhos Lindos Abandonados

Já se sabe que nas férias surge o flagelo dos animais abandonados. Ainda se torna pior quando são bebés e indefesos.

 

Ao visitar o blog da minha amiga xana, eis que me deparo com um post acerca de 3 cachorrinhos abandonados.

 

Vejam lá se os bichinhos não são lindos. Será que não passa ninguém por aqui que esteja a precisar de um cachorrinho?

 

Eu ficava com os três mas já tenho dois, como sabem...

 

Cliquem aqui para ver:

 

http://xana-blueeyes.blogspot.com/

 

Vilão?!

Tenho de confessar que já andava desconfiada...

 

Telefonemas suspeitos,

desculpas esfarrapadas,

movimentações nocturnas.

Trajes estranhos,

conversas em código...

 

Ora vejam lá se não chegam à mesma conclusão do que eu:

O meu Pimentinha (este aqui)

 

 

pertence a uma família de foras da lei e eu... NÃO SABIA!

 

Comparem lá as provas do crime...

 

          Pimentinha, o cowboy                              Lady Pimentinha

               (o meu dog)                                          (a mana do meu dog)

 

Metem respeito ou não metem?

 

 

 

Back To Work

 

Regressei, dolorosamente, à minha vida activa. Ter que madrugar para voltar a entrar na rotina, dó muito até que volte a entranhar-se nos hábitos quotidianos.

 

A preguiça e a inércia só voltaram a passar por cá nas próximas férias de verão. Os seus serviços foram cessados... por enquanto!

 

A inspiração, essa, é que ainda não voltou das férias. É uma entidade privilegiada a quem foi concedida liberdade total, sem dia, hora ou local marcado para aparecer.

Talvez seja falta do contacto assíduo entre pale e caneta ou até mesmo entre o pc e o teclado.

 

Vou até ali espreitar por entre as árvores para ver se ela surge de algum lado...

 

Até já!